A Pequena Alma e o Sol

A Pequena Alma e o Sol

Era uma vez, em tempo nenhum, uma Pequena Alma que disse… a Deus:
– Eu sei quem sou!

E Deus disse:
– Que bom! Quem és tu?

E a Pequena Alma gritou:
– Eu sou Luz!

E Deus sorriu. – É isso mesmo! – exclamou Deus. – Tu és Luz!

A Pequena Alma ficou muito contente, porque tinha descoberto aquilo que todas as almas do Reino deveriam descobrir. – Uauu, isto é mesmo bom! – disse a Pequena Alma. Mas, passado pouco tempo, saber quem era já não lhe chegava. A pequena Alma sentia-se agitada por dentro, e agora queria ser quem era. Então foi ter com Deus ( o que não é má idéia para qualquer alma que queira ser Quem Realmente É ) e disse:
– Olá Deus! Agora que sei Quem Sou, posso sê-lo?

E Deus disse:
– Quer dizer que queres ser Quem já És?

– Bem, uma coisa é saber Quem Sou, e outra coisa é sê-lo mesmo. Quero sentir como é ser a Luz! – respondeu a pequena Alma.

– Mas tu já és Luz – repetiu Deus, sorrindo outra vez.

– Sim, mas quero senti-lo! – gritou a Pequena Alma.

– Bem, acho que já era de esperar. Tu sempre foste aventureira – disse Deus com uma risada. Depois a sua expressão mudou. – Há só uma coisa…

– O quê? – perguntou a Pequena Alma.

– Bem, não há nada para além da Luz. Porque eu não criei nada para além daquilo que tu és; por isso, não vai ser fácil experimentares-te como Quem És, porque não há nada que tu não sejas.

– Hã? – disse a Pequena Alma, que já estava um pouco confusa.

– Pensa assim: tu és como uma vela ao Sol. Estás lá sem dúvida. Tu e mais milhões, ziliões de outras velas que constituem o Sol. E o Sol não seria o Sol sem vocês. ‘Não seria um sol sem uma das suas velas… e isso não seria de todo o Sol, pois não brilharia tanto. E no entanto, como podes conhecer-te como a Luz quando estás no meio da Luz – eis a questão’.

– Bem, tu és Deus. Pensa em alguma coisa! – disse a Pequena Alma mais animada. Deus sorriu novamente.

– Já pensei. Já que não podes ver-te como a Luz quando estás na Luz, vamos rodear-te de escuridão – disse Deus.

– O que é a escuridão? perguntou a Pequena Alma.

– É aquilo que tu não és – replicou Deus.

– Eu vou ter medo do escuro? – choramingou a Pequena Alma.

– Só se o escolheres. Na verdade não há nada de que devas ter medo, a não ser que assim o decidas. Porque estamos a inventar tudo. Estamos a fingir.

– Ah! – disse a Pequena Alma, sentindo-se logo melhor.

Depois Deus explicou que, para se experimentar o que quer que seja, tem de aparecer exactamente o oposto.

– É uma grande dádiva, porque sem ela não poderíamos saber como nada é – disse Deus – Não poderíamos conhecer o Quente sem o Frio, o Alto sem o Baixo, o Rápido sem o Lento. Não poderíamos conhecer a Esquerda sem a Direita, o Aqui sem o Ali, o Agora sem o Depois. E por isso, – continuou Deus – quando estiveres rodeada de escuridão, não levantes o punho nem a voz para amaldiçoar a escuridão. ‘Sê antes uma Luz na escuridão, e não fiques furiosa com ela. Então saberás Quem Realmente És, e os outros também o saberão. Deixa que a tua Luz brilhe tanto que todos saibam como és especial!’

– Então posso deixar que os outros vejam que sou especial? – perguntou a Pequena Alma.

– Claro! – Deus riu-se. – Claro que podes! Mas lembra-te de que ‘especial’ não quer dizer ‘melhor’! Todos são especiais, cada qual à sua maneira! Só que muitos esqueceram-se disso. Esses apenas vão ver que podem ser especiais quando tu vires que podes ser especial!

– Uau – disse a Pequena Alma, dançando e saltando e rindo e pulando. – Posso ser tão especial quanto quiser!

– Sim, e podes começar agora mesmo – disse Deus, também dançando e saltando e rindo e pulando juntamente com a Alma

– Que parte de especial é que queres ser? – Que parte de especial? – repetiu a Pequena Alma. – Não estou a perceber.

– Bem, – explicou Deus – ser a Luz é ser especial, e ser especial tem muitas partes. É especial ser bondoso. É especial ser delicado. É especial ser criativo. É especial ser paciente. Conheces alguma outra maneira de ser especial?

A Pequena Alma ficou em silêncio por um momento. – Conheço imensas maneiras de ser especial! – exclamou a Pequena Alma – É especial ser prestável. É especial ser generoso. É especial ser simpático. É especial ser atencioso com os outros.

– Sim! – concordou Deus – E tu podes ser todas essas coisas, ou qualquer parte de especial que queiras ser, em qualquer momento. É isso que significa ser a Luz.

– Eu sei o que quero ser, eu sei o que quero ser! – proclamou a Pequena Alma com grande entusiasmo. – Quero ser a parte de especial chamada ‘perdão’. Não é ser especial alguém que perdoa?

– Ah, sim, isso é muito especial, assegurou Deus à Pequena Alma.

– Está bem. É isso que eu quero ser. Quero ser alguém que perdoa. Quero experimentar-me assim – disse a Pequena Alma.

– Bom, mas há uma coisa que devias saber – disse Deus.

A Pequena Alma já começava a ficar um bocadinho impaciente. Parecia haver sempre alguma complicação.

– O que é? – suspirou a Pequena Alma.

– Não há ninguém a quem perdoar.

– Ninguém? A Pequena Alma nem queria acreditar no que tinha ouvido.

– Ninguém! – repetiu Deus. Tudo o que Eu fiz é perfeito. Não há uma única alma em toda a Criação menos perfeita do que tu. Olha à tua volta. Foi então que a Pequena Alma reparou na multidão que se tinha aproximado. Outras almas tinham vindo de todos os lados – de todo o Reino – porque tinham ouvido dizer que a Pequena Alma estava a ter uma conversa extraordinária com Deus, e todas queriam ouvir o que eles estavam a dizer. Olhando para todas as outras almas ali reunidas, a Pequena Alma teve de concordar. Nenhuma parecia menos maravilhosa, ou menos perfeita do que ela. Eram de tal forma maravilhosas, e a Luz de cada uma brilhava tanto, que a Pequena Alma mal podia olhar para elas.

– Então, perdoar quem? – perguntou Deus.

– Bem, isto não vai ter piada nenhuma! – resmungou a Pequena Alma – Eu queria experimentar-me como Aquela que Perdoa. Queria saber como é ser essa parte de especial.

E a Pequena Alma aprendeu o que é sentir-se triste. Mas, nesse instante, uma Alma Amiga destacou-se da multidão e disse:

– Não te preocupes, Pequena Alma, eu vou ajudar-te – disse a Alma Amiga.

– Vais? – a Pequena Alma animou-se. – Mas o que é que tu podes fazer?

– Ora, posso dar-te alguém a quem perdoares!

– Podes?

– Claro! – disse a Alma Amiga alegremente. – Posso entrar na tua próxima vida física e fazer qualquer coisa para tu perdoares.

– Mas porquê? Porque é que farias isso? – perguntou a Pequena Alma. – Tu, que és um ser tão absolutamente perfeito! Tu, que vibras a uma velocidade tão rápida a ponto de criar uma Luz de tal forma brilhante que mal posso olhar para ti! O que é que te levaria a abrandar a tua vibração para uma velocidade tal que tornasse a tua Luz brilhante numa luz escura e baça? O que é que te levaria a ti, que danças sobre as estrelas e te moves pelo Reino à velocidade do pensamento, a entrar na minha vida e a tornares-te tão pesada a ponto de fazeres algo de mal?

– É simples – disse a Alma Amiga. – Faço-o porque te amo.

A Pequena Alma pareceu surpreendida com a resposta.

– Não fiques tão espantada – disse a Alma Amiga – tu fizeste o mesmo por mim. Não te lembras? Ah, nós já dançamos juntas, tu e eu, muitas vezes. Dançamos ao longo das eternidades e através de todas as épocas. Brincamos juntas através de todo o tempo e em muitos sítios. Só que tu não te lembras. Já fomos ambas o Todo. Fomos o Alto e o Baixo, a Esquerda e a Direita. Fomos o Aqui e o Ali, o Agora e o Depois. Fomos o Masculino e o Feminino, o Bom e o Mau – fomos ambas a vítima e o vilão. Encontra-nos muitas vezes, tu e eu; cada uma trazendo à outra a oportunidade exata e perfeita para Expressar e Experimentar Quem Realmente Somos. – E assim, – a Alma Amiga explicou mais um bocadinho – eu vou entrar na tua próxima vida física e ser a ‘má’ desta vez. Vou fazer alguma coisa terrível, e então tu podes experimentar-te como Aquela Que Perdoa.

– Mas o que é que vais fazer que seja assim tão terrível? – perguntou a Pequena Alma, um pouco nervosa.

– Oh, havemos de pensar nalguma coisa – respondeu a Alma Amiga, piscando o olho.

Então a Alma Amiga pareceu ficar séria, disse numa voz mais calma:

– Mas tens razão acerca de uma coisa, sabes? – Sobre o quê? – perguntou a Pequena Alma.

– Eu vou ter de abrandar a minha vibração e tornar-me muito pesada para fazer esta coisa não muito boa. Vou ter de fingir ser uma coisa muito diferente de mim. E por isso, só te peço um favor em troca.

– Oh, qualquer coisa, o que tu quiseres! – exclamou a Pequena Alma, e começou a dançar e a cantar: – Eu vou poder perdoar, eu vou poder perdoar!

Então a Pequena Alma viu que a Alma Amiga estava muito quieta.

– O que é? – perguntou a Pequena Alma. – O que é que eu posso fazer por ti? És um anjo por estares disposta a fazer isto por mim!

– Claro que esta Alma Amiga é um anjo! – interrompeu Deus, – são todas! Lembra-te sempre: Não te enviei senão anjos.

E então a Pequena Alma quis mais do que nunca satisfazer o pedido da Alma Amiga.

– O que é que posso fazer por ti? – perguntou novamente a Pequena Alma.

– No momento em que eu te atacar e atingir, – respondeu a Alma Amiga – no momento em que eu te fizer a pior coisa que possas imaginar, nesse preciso momento…

– Sim? – interrompeu a Pequena Alma

– Sim? A Alma Amiga ficou ainda mais quieta. – Lembra-te de Quem Realmente Sou.

– Oh, não me hei de esquecer! – gritou a Pequena Alma – Prometo! Lembrar-me-ei sempre de ti tal como te vejo aqui e agora.

– Que bom, – disse a Alma Amiga – porque, sabes, eu vou estar a fingir tanto, que eu própria me vou esquecer. E se tu não te lembrares de mim tal como eu sou realmente, eu posso também não me lembrar durante muito tempo. E se eu me esquecer de Quem Sou, tu podes esquecer-te de Quem És, e ficaremos as duas perdidas. Então, vamos precisar que venha outra alma para nos lembrar às duas Quem Somos.

– Não vamos, não! – prometeu outra vez a Pequena Alma. – Eu vou lembrar-me de ti! E vou agradecer-te por esta dádiva – a oportunidade que me dás de me experimentar como Quem Eu Sou.

E assim o acordo foi feito. E a Pequena Alma avançou para uma nova vida, entusiasmada por ser a Luz, que era muito especial, e entusiasmada por ser aquela parte especial a que se chama Perdão. E a Pequena Alma esperou ansiosamente pela oportunidade de se experimentar como Perdão, e por agradecer a qualquer outra alma que o tornasse possível. E, em todos os momentos dessa nova vida, sempre que uma nova alma aparecia em cena, quer essa nova alma trouxesse alegria ou tristeza – principalmente se trouxesse tristeza – a Pequena Alma pensava no que Deus lhe tinha dito.

– Lembra-te sempre, – Deus aqui tinha sorrido – não te enviei senão anjos!.

do livro “A Pequena Alma e o Sol” – de Neale Donald Walsch

Sangue | O fiel representante da alma

Sangue | A Expressão da individualidade.
Fiel representante da alma, que dá vida ao corpo.

O sangue percorre o Sistema Circulatório irrigando todos os tecidos do corpo. Leva as substâncias nutritivas e o oxigénio necessário ao metabolismo orgânico. Remove os elementos residuais das células, conduzindo-os aos órgãos encarregados de eliminá-los (rins, pulmões e pele). É o principal agente responsável pelo transporte das hormonas, essenciais para manter as funções vitais. Protege o corpo da invasão e agressão de agentes estranhos, através da ação dos glóbulos brancos. É formado por elementos sólidos: glóbulos vermelhos (eritrócitos), glóbulos brancos (leucócitos) e plaquetas. Esses constituintes encontram-se em suspensão, num componente líquido chamado plasma.

A ação do sangue constitui o fundamento da vida humana. Toda a dinâmica do organismo é caracterizada pelo estado do sangue, que o mantém em funcionamento. A nossa vida está diretamente relacionada com a vida do nosso sangue. A qualidade da vida depende do estado bioquímico do sangue. É portador da vida nos seus aspectos físicos e energéticos.

No âmbito metafísico, o sangue reflete a atividade do pensamento, fluindo pelo nosso interior, conduzindo as novas ideias, mantendo a circulação da energia psíquica.

Paralelamente ao processo orgânico de troca gasosa entre o sangue e as células, no âmbito energético ocorre a retirada das energias nocivas que interferem no bom funcionamento dos órgãos, eliminando-as do organismo. Portanto, a boa circulação do sangue reduz a carga energética maléfica agregada ao campo etérico do órgão, prevenindo a manifestação de algumas doenças.

Na concepção metafísica, o sangue é considerado um fiel representante da alma, fluindo na vida através do corpo físico.
Sabemos que a alma é a essência da vida; o sangue, por sua vez, desempenha uma função primordial nesse sentido. Ele mantém todas as funções biológicas, suprindo o corpo com os nutrientes necessários para manter a vida orgânica. Assim, ele é um dos maiores referenciais da alma expressa no corpo físico.
Viver com alegria e motivação é uma condição que propicia energia para o sangue; consequentemente, fortalece o corpo.
A maneira como nos conduzimos pela vida caracteriza o teor sanguíneo. A vontade de viver e nos relacionarmos com as situações diárias é um fator primordial para manter uma boa irrigação sanguínea. Gostar de viver, apreciar cada instante da existência e dar se por inteiro a tudo que se faz, são atitudes saudáveis para manter as funções do sangue.

TIPO SANGUÍNEO

Revela características da personalidade. Os tipos sanguíneos são determinados pelos antígenos, que são marcadores bioquímicos encontrados nas células do corpo, principalmente nos glóbulos vermelhos. Eles são os maiores agentes de identificação das substâncias estranhas ao organismo. O sistema imunológico baseia-se neles para identificar intrusos no corpo. É uma espécie de senha que identifica os invasores (vírus, bactérias, etc.) como amigo ou inimigo.
O sangue possui anticorpos para reagir prontamente contra substâncias estranhas ao organismo. Os antígenos que determinam o tipo sanguíneo são o maior dispositivo de segurança do sistema imunológico. Além disso, o grupo sanguíneo é um fator decisivo na transfusão de sangue, pois, se uma pessoa receber sangue incompatível com o seu, sofrerá uma reação imediata e fatal.

O tipo sanguíneo é determinado geneticamente pelos pais. A significativa influência dos pais na definição do grupo sanguíneo de seus filhos não se restringe ao físico; existe grande afinidade entre as pessoas que partilham a experiência familiar. A compatibilidade de génio, que os filhos “herdam” dos pais, é um fator evidente da consanguinidade.

Além da afinidade existente entre as pessoas que partilham uma vida em grupo, o que conta muito na formação da personalidade de um indivíduo são as primeiras lições aprendidas com a família. A carga genética representa apenas um fator orgânico. Sobretudo, o fator determinante na formatação da personalidade é a índole da pessoa. As características do próprio ser são expressas no corpo através de diversos sinais grafados no organismo; um deles é o tipo sanguíneo.

Metafisicamente, os grupos sanguíneos correspondem à natureza íntima do ser, que se manifesta na vida após o nascimento, determinando as principais características da personalidade. Trata-se de inclinações pessoais, maiores habilidades para determinadas atividades, tendências e aptidões que definem os traços marcantes do comportamento.
Em contrapartida, determinadas pessoas sentem dificuldades para lidar com alguns aspectos da vida. Essa pouca habilidade deve ser encarada como desafio. E importante nos dedicarmos ao desenvolvimento daquilo que não dominamos. Desse modo, estaremos
ampliando a gama de experiência do nosso ser.
A consciência das características da personalidade pelo tipo sanguíneo visa a proporcionar o autoconhecimento, bem como apontar fatores que precisam ser trabalhados em si para promover o desenvolvimento pessoal.

Sabe qual é o seu tipo sanguíneo? Sabendo a que grupo pertence (O, A, B ou AB), irá conhecer se melhor com as informações sobre cada tipo sanguíneo.
Acerca dos fatores RH positivo e negativo do tipo sanguíneo, (exemplo: A (-) ou O (+)), essas variações ou subgrupos desempenham papéis relativamente insignificantes na estruturação interior dos indivíduos. E por isso, os fatores RH não estão incluídos aqui como
parâmetro para análise da personalidade.

TIPO A

As pessoas do tipo A são conservadoras, detalhistas, buscam harmonia nas relações, sendo muito prestáveis, sem nenhuma pretensão de liderança.
As mulheres pertencentes a esse grupo sanguíneo são ótimas companheiras e mães. Para elas, a convivência harmoniosa no ambiente é mais importante do que se destacar perante as pessoas. Como não possuem instintos de liderança, o companheirismo é seu grande talento.
O maior desafio das pessoas do tipo A é fundamentar-se em si mesmas, valorizar-se e desenvolver a auto-estima. Visto que as características de personalidade induzem-nas a mobilizarem em prol dos outros, passam a viver em função do meio, podendo chegar a um completo abandono de si. Dão mais valor ao os outros dizem do que aquilo que sentem. Não se consideram nem dão o devido respeito as suas necessidades pessoais. Vivem em prol dos outros para obter atenção, consideração e respeito. Esperam receber dos outros aquilo que nao proporcionam a si mesmas.
Vale lembrar que tudo aquilo que se busca nos outros precisa ser cultivado em si; quem não se ama, não é amado; quem não se respeita, não é respeitado; quem não se valoriza, também não é valorizado, e assim por diante. Proporciona a ti mesma tudo aquilo que buscas nas outras pessoas.
Os indivíduos do tipo A são muito sensíveis às situações do ambiente. Qualquer episódio drástico envolvendo algum membro da família afeta profundamente o seu humor.
Quando as pessoas ao redor não correspondem a suas expectativas ou não conseguem alcançar seus objetivos, sentem-se vítimas. Atribuem aos outros as suas frustrações. Têm dificuldade em assumir a sua falta de confiança. Por norma são pessoas que vão ao detalhe e isso pode provocar lhes bastante ansiedade quando é levado ao extremo.

 

TIPO B

São hábeis para reconhecer a si mesmas. Sabem o que querem alcançar na vida. Suas metas e objetivos são bem definidos. Porém, atrapalham-se para lidar com aqueles que estão a sua volta.
Enquanto as pessoas do tipo A têm facilidade para lidar com os outros e dificuldade para com suas próprias emoções, as pessoas do tipo B são exatamente o oposto: são mais voltadas para si e geralmente displicentes para com os outros.
É difícil para as pessoas que pertencem ao grupo sanguíneo B reconhecer as necessidades dos outros. Elas costumam limitar-se aos seus próprios anseios, não ampliando seus horizontes ao universo alheio. As suas relações interpessoais geralmente são prejudicadas pela tendência egocêntrica. É difícil para elas sair do seu mundo para reconhecer o outro como uma individualidade à parte.
Nas relações afetivas, manipulam para obter do parceiro o que pretendem,  sem dar valor às vontades do outro.
No entanto, há pessoas pertencentes a esse grupo sanguíneo que são maleáveis e aprenderam a lidar bem com as necessidades alheias. Pode-se dizer que elas descobriram o caminho para conquistar o bem-estar interior e a harmonia com o ambiente; mantiveram a
sua auto-valorização mas sem desconsiderar as pessoas a sua volta.
Quando as pessoas do tipo B desenvolverem a habilidade de interagir com os outros, preservando aquilo que é seu maior talento, a boa auto-estima, elas se tornarão bem-sucedidas e, consequentemente, felizes.

TIPO O

As pessoas desse tipo sanguíneo são muito expressivas. A comunicação e a liderança são os seus maiores talentos. São determinadas e convincentes, conseguem mobilizar todos que os rodeiam para um único objetivo.
Têm os principais requisitos para liderar: força e auto-confiança. Não se deixam abater pelos obstáculos. Quando se vêem diante de um desafio, mostram-se fortes e determinados; assim conquistam o apoio daqueles que estão a seu lado.
Não conseguem fazer nada sozinhos, precisam ter sempre alguém por perto que os apoio, e isso revigora as suas forças.
São arrojadas, destemidas e boas estrategas. Esses atributos facultam-lhes a liderança do grupo a que pertencem. Liderar é muito importante para as pessoas do tipo O.
Quando o seu poder é ameaçado, abalam se profundamente, ficando desorientadas nas suas ações. Na relação familiar, os homens costumam ser super protectores dos seus entes queridos; não raro, tornam-se dominadores. As mulheres são supermães.
As pessoas deste grupo que ja estão bem-resolvidas emocionalmente, exercem um poder sobre seu meio de forma a promover o progresso do seu grupo, bem como o desenvolvimento daqueles que partilham a sua vida.
Já, se forem pessoas ainda emocionalmente instáveis, tornam-se dominadoras e possessivas, manipulam as pessoas de forma a exercer seu poder, com o propósito de saciar o seu próprio ego.
Vale lembrar que, o verdadeiro poder é exercido sobre si mesmo. Dominar os próprios pensamentos, mobilizar os seus recursos para alcançar aquilo que almeja, sem depender exclusivamente dos outros, dar o melhor de si naquilo que faz.
Existem ainda outras características da personalidade das pessoas pertencem ao tipo O. São hábeis para lidar com as situações de modo geral, mas não possuem nenhuma habilidade com os detalhes. Gostam de presentear as pessoas queridas e proporcionar-lhes o bem estar, no
entanto, têm dificuldade em receber, desde um simples presente como uma significativa ajuda.

TIPO AB

As pessoas com esse tipo sanguíneo são prestáveis, cumpridoras dos seus compromissos e estão sempre dispostas a colaborar.
São maleáveis e tolerantes. Acatam facilmente os conteúdos externos. Tem mais habilidade para absorver as informações e orientações do que para se posicionar.
Geralmente não falam muito, só o suficiente. É raro falarem de si. São enigmáticas, os seus sentimentos e anseios não são conhecidos nem pelas pessoas mais próximas, às vezes nem elas próprias sabem o que sentem.
Raramente reivindicam algo para si, estão sempre envolvidas com as necessidades do meio.
Reconhecem muito bem as questões externas, mas são negligentes para com suas necessidades pessoais e principalmente afetivas.
Subitamente, podem se rebelar se com o estilo de vida adotado, vivenciando tardiamente as suas experiências. Isso pode ocorrer com pessoas que desde a infância já apresentavam maturidade; essa rebeldia leva-as a agir como adolescentes, apresentando comportamentos
que não são compatíveis com sua idade atual.
Algumas, no entanto, mostram-se ariscas e temperamentais, principalmente no que toca à sua vida afetiva. Adotam esse comportamento para se proteger das influências externas. Quando uma pessoa do tipo AB age assim, é porque está traumatizada pelo
domínio dos outros.
O seu maior desafio é reconhecer as suas próprias necessidades e desenvolver a habilidade de falar de si. Ter boa auto-estima e amor próprio.

A doença do ponto de vista da metafisica

Metafisica (=para alem da física) Doença para alem do corpo físico

Se procurar-mos a definição de doença em dicionários e enciclopédias, doença é um conjunto de sinais e sintomas específicos que afetam um ser vivo, alterando o seu estado normal de saúde. O vocábulo é de origem latina, em que “dolentia” significa “dor, padecimento”.

Em geral, a doença é caracterizada por uma alteração ou desvio do estado de equilíbrio de um indivíduo com o meio ambiente. Pode ser causada por fatores exógenos (externos, do ambiente) ou endógenos (internos, do próprio organismo).

Tudo é energia, isso já foi comprovado cientificamente (mas nunca é demais relembrar). Todo pensamento gera uma emoção, e toda emoção gera uma resposta bioquímica e fisiológica no corpo, isso também já foi comprovado.

Assim, quando ficamos doentes significa que algo não vai bem com os nossos pensamentos e emoções, e que estes são predominantemente negativos. A doença é um sinal claro de que precisamos mudar a nossa frequência vibracional!

Ora se falamos em frequências e vibrações, isso significa que tudo tem origem no corpo energético e que, se mudarmos a nossa vibração para uma frequência positiva (mais elevada) a resposta bioquímica e fisiológica também ela será positiva.

É por estes factos que a doença é considerada, pelo ponto de vista da metafisica, como um desequilíbrio (ou desarmonia) do corpo energético e que reequilibrando a nossa energia, os sintomas de “doença” desaparecem do nosso corpo físico.

Claro que quanto mais cedo esse desequilíbrio for corrigido menores danos causarão no corpo físico e mais fácil será reverter essa situação. Uma pessoa que manifesta sintomas de uma doença durante 20 anos e que já danificou o seu corpo físico, não pode pensar que ao reverter o desequilíbrio energético, o corpo físico se irá regenerar a 100%. Em alguns casos isso será possível noutros não na totalidade. Por isso o ideal seria sempre manter o corpo energético o mais saudável possível.

Mais uma vez sou da opinião que temos o controlo de tudo o que nos acontece, até mesmo da doença. Não somos vítimas das circunstâncias e do acaso (até porque não existe acaso) mas somos sim, vítimas dos nossos próprios pensamentos.

E por isso defendo que a cura é sempre uma auto cura, um poder que vem de dentro, mas nem sempre temos a força e a energia suficientes para resgatar esse poder. É aí que posso ajudar te com 2 ferramentas poderosas: a hipnoterapia que trabalha na mente inconsciente, lá onde a mente fica mais susceptível a sugestões positivas para reverter os pensamentos e emoções; Os florais de Saint Germain que trabalham no campo energético e emocional reequilibrando a tua energia e emoções.

O poder da mente é imensurável, temos o poder de criar a “doença” e o poder de criar a cura. Qual deles escolhes?

Mensagens do Plano Espiritual

Já olhaste para o relógio e viste números iguais 12:12, 15:15, 20:20?

São mensagens e não acontecem por acaso! São sinais de que o universo te quer dar um aviso importante para que evoluas mais rapidamente!

Mas qual o significado desses números?

01:01 – Começa um novo projecto, abre espaço para o novo em tua vida. Faz alguma coisa nova! Talvez estudar uma nova língua, um novo corte de cabelo, uma viagem.

02:02 – Investe em novas amizades, novos relacionamentos, sociabiliza. Procura novos grupos e pessoas das tuas áreas de interesse. Por exemplo, se gostas de dançar, procura um grupo de pessoas que possuem afinidade com a dança.

03:00 – Apesar de não ser horas repetidas, muitas pessoas acordam as 3h da manhã, em ponto. Segundo os mentores do plano espiritual, é o horário em que a Terra fica mais crítica, com a energia mais densa e contaminada pelo lixo psíquico da humanidade. Se és acordado a essa hora é porque tens potencial para ajudar a aliviar a energia da Terra com tuas orações, com Reiki e outras práticas que conheças.

03:03 – Equilibra a tua energia, encontra o caminho do meio, o teu centro. Para de oscilar entre as polaridades + e -. O centro é o teu maior aliado.

04:04 – Cuidado com o excesso de preocupações da vida material. Procura organizar te com uma lista de tarefas e pendências e alivia tua mente de preocupações. Preocupação não resolve problemas. Organização e ação sim!

05:05 – Sai do seu casulo e mostra-te ao mundo. Se sofres de timidez, é hora de agir para trabalhar essa questão. Procura um bom terapeuta, faz práticas de expressão, como aulas de canto ou teatro. Sai da casca!

06:06 – A família é a união de espíritos, que se unem por laços kármicos e de afinidade. A felicidade da tua família não depende de ti e a tua felicidade não depende deles. Coloca limites aos teus familiares e preserva mais a tua intimidade. Nem tudo deve ser partilhado onde há muito karma envolvido. Ama muito a tua família, mas mantém o equilíbrio entendendo que amar não é interferir no livre arbítrio alheio e preserva a tua energia.

07:07 – Precisas dedicar te mais ao teu lado intelectual e procurar estudar mais. Encontra um assunto que gostes e esse estudo será um prazer. O conhecimento não pode ser confundido com sabedoria, mas ele aniquila a ignorância. Em que área da tua vida precisas estudar mais? Espiritualidade? Área Financeira? Relacionamentos? Pensa nisso!

08:08 – É hora de dar mais importância à tua organização financeira. Como está a tua prosperidade? O teu fluxo financeiro é equilibrado? O teu dar e receber estão equilibrados? Procura ajuda, pois a área financeira é uma das que mais facilmente se desequilibram.

09:09 – É hora de finalizar e colocar em prática os projectos que começaste e não terminaste. Pensa sobre eles, descarta aqueles que definitivamente não queres mais e põe em prática aqueles que já iniciaste.

10:10 – É hora de limpar o passado e concentrar-se no momento presente. Limpa a estrada do teu passado e não olhes mais para trás. Começa organizando a tua casa, os teus armários, gavetas e tudo o que não estiver bem na tua vida. Faz uma limpeza nas tuas roupas, calçados, objectos, e liberta-te dos cacarecos, doando ou mesmo vendendo. Guarda somente aquilo que usas. Juntar cacarecos tranca o fluxo de energia e cada vez mais te tornas um ser triste e preso ao passado. O novo não pode chegar. Quando limpamos as coisas físicas, as emocionais também são limpas.

11:11 – É uma chamada urgente do plano espiritual para te espiritualizares e encontrares um caminho que eleve teu espírito. São os teus mentores dizendo que é hora de procurar desenvolvimento e consciência espiritual, antes que alguma doença se instale. É a última chamada para evoluir pelo amor. A próxima chamada será através da dor e da doença.

12:12 – É o plano espiritual dizendo que precisas de equilíbrio entre os corpos físico, emocional, mental e espiritual. É hora de parares, pensares e conectares-te ao Universo através da natureza, do estado contemplativo, do relaxamento, da meditação.

13:13 – Se não procurares novidades na tua vida, a tendência é ficares triste, melancólico e até depressivo. Procura novidades sempre! Novas músicas, novos sabores, novas cores…

14:14 – Nesse caso, é um “puxão de orelhas” mais forte no que se refere a sair do casulo. Precisas sociabilizar, divertir te, fazer alguma actividade com mais pessoas.

15:15 – Para de te preocupares tanto com o que as outras pessoas pensam acerca de ti. Toma as tuas decisões baseando-te nas tuas vontades e não nas vontades dos outros. Faz as tuas escolhas de acordo com teus desejos! Liberta-te das opiniões alheias!!!

16:16 – Existem muitas maneiras de evoluir e aprender, mas três coisas sempre estão presentes nesse caminho: estudo/leitura, silêncio e resiliência. Pratica!!!

17:17 – Prosperidade não se trata somente de dinheiro, mas de ter abundância em todos os aspectos. Abundância de bons relacionamentos, felicidade, saúde e também dinheiro. Sem esses quatro elementos, nenhuma pessoa pode se considerar próspera. Direciona o teu foco para um estado de espírito próspero.

18:18 – É hora de colocar um ponto final em tudo o que atrapalha a tua vida! De pessoas que não agregam em nada até sapatos apertados! Chegaaaaa! Dá o teu grito de liberdade e manda embora tudo aquilo que te faz infeliz!

19:19 – Pensa na tua missão de vida, reflete sobre ela! O que vieste fazer aqui na Terra? Em que assunto podes tornar te um ajudante de Deus para fazer um bom trabalho aqui no mundo? Em que área Deus pode contar contigo? És um bom amigo, conselheiro, és bom na resolução de problemas? Se Deus te pedisse ajuda para tornar o mundo um lugar melhor, o que lhe poderias oferecer?

20:20 – É hora de agir. Porquê tanta lentidão? Não nasceste com seus pés colados no chão. Levanta-te daí e vai em busca dos teus sonhos e objectivos!!! Faz alguma coisa agora, anota, cria um projecto!!! O sucesso é construído à noite! Vamos lá! Mãos a obra! Abandona a preguiça e recupera o tempo perdido com lamentações!

21:21 – É hora de ajudar outras pessoas a encontrarem um caminho de luz. Há tanta gente que precisa de ajuda neste mundo! Seja com um conselho, uma doação de dinheiro, de tempo, de carinho, podes contribuir de alguma forma. Ajuda alguém todos os dias. Sê gentil, caridoso! Tem mais paciência! Leva mais amor para o mundo. Ele está dentro de ti!

22:22 – Dá mais atenção a tua saúde. Negligência com o corpo físico, que Deus te emprestou com tanto amor para que pudesses evoluir aqui na Terra, gera um grande karma. Cuida-te. Alimenta-te melhor, pratica alguma actividade física, melhora a tua hidratação, dorme bem, respira melhor… Liberta-te dos vícios emocionais (raiva, medo, mágoa, tristeza) pois eles geram doenças. É difícil ter sucesso na vida com um corpo debilitado pelas tuas ações irresponsáveis!!!

23:23 – És muito mais do que imaginas. Exige mais dos teus potenciais. Podes ir mais além. Muito mais.

00:00 – És a semente divina de um Deus ilimitado, poderoso e misericordioso. A árvore mora na semente. Sem semente não existe árvore. E tu és uma semente que tem potencial para ser uma árvore com todos os dons de Deus. Apenas sê!

O Despertar Espiritual

Iniciou o seu despertar espiritual?

Conheça as várias fases do despertar.

Quando se trata de despertar espiritualmente (como é o caso com a maior parte das experiências espirituais), é quase impossível descrever totalmente com palavras o que isto significa, porque as experiências espirituais são, de acordo com a sua própria natureza, não lógicas, ou confinadas pelas limitações da linguagem.

Muito do que ocorre quando se desperta espiritualmente, não pode ser visto, ou descrito com precisão, mas somente ser sentido, vivido completamente, testemunhado e experienciado.

Então, o que significa ter um Despertar Espiritual?

Alguns descrevem o despertar como o momento em que se abre o coração a Deus e permite a entrada de um novo nível de luz e começa a ver e a experienciar uma compreensão mais profunda do que a vida realmente é.

Outros diriam que é o momento em que você se desliga da sua realidade, ultrapassa os condicionamentos e as crenças limitantes, permitindo-lhe começar a experienciar em primeira mão, a resposta para a pergunta: “Quem sou eu?”

Não importa quais as palavras que sejam usadas, o despertar espiritual é um momento de ascensão e, com consciência, este momento pode estender se a todas as áreas da sua vida.

O Despertar espiritual muda a forma como vê o mundo, e permite-lhe obter uma sensação de paz interior e de tranquilidade para gerir a sua vida.

Diferente para todos, o despertar espiritual dura apenas um momento ou pode estender-se por vários anos.

O Despertar Espiritual é o momento em que você está preparado e disposto a desligar se do seu Ego (o seu Eu Exterior) e começa a entender que existe um outro EU (interior ou Superior).

Esse momento dá-se na maioria das vezes quando está la em baixo, no fundo do poço, prestes a desistir, no momento em que só tem uma opção: submergir.

Quando as pessoas me chegam às consultas dizendo que as suas vidas não tem sentido, que estão num poço e que não sabem o que fazer. Gosto de responder: “Esse é o melhor lugar”. Alguns poderão ficar chocados, mas a realidade é que se chegaram ao fundo não podem descer mais. E é ali, no fundo do poço que podem aprender a conhecer se, a despertar a sua força interior, a perceberem quem são na realidade, a deixar cair máscaras e Egos para submergir o seu EU Superior. É aí que se dá o despertar para uma nova consciência!

O Despertar doí, sim… muito. Deixar cair o Ego, as crenças, as limitações é algo difícil. Por incrível que pareça, apegamos-nos a tudo… até mesmo ao que nos faz mal.

Não é que isto exija esforço, trabalho ou prática. O despertar espiritual está aberto a qualquer pessoa que esteja preparada a abrir mão de falsas crenças – leve isto anos para chegar a esse ponto, ou apenas um momento de impacto.

O despertar espiritual é uma experiência maravilhosa, mas pode por vezes assemelhar-se a uma montanha russa, irá oscilar entre estados de depressão, estados de exaltação e estados de estabilidade.

As quatro fases do Despertar Espiritual

Primeira fase: O Chamamento Do Despertar

O Chamamento do Despertar espiritual chega de muitas formas. A mais comumente entendida é a experiência da perda, da crise, ou de alguma tragédia. Quer se trate de morte, de dificuldades financeiras, um acidente ou lesão, um divórcio, um desastre natural, ou problemas com a saúde, este Chamamento do Despertar é sempre inesperado e por isso, sem dúvida, o mais doloroso.

Diante “da crise” você deixa de agir normalmente e entra em modo sobrevivência, muitas vezes, incapaz de pensar em algo que não seja “a crise”. É incapaz de digerir o que está a acontecer e sente-se intensamente desafiado. Este tipo de Chamamento do Despertar é chamado de “a noite escura da alma”.

O Chamamento do Despertar pode por vezes também ser um período prolongado de frustração com a vida. É uma sensação de que algo lhe falta apesar de ter tudo. Algo importante e não sabe o quê.

O Chamamento pode ser também um momento de reconhecimento ou de recordação. As coisas se tornam mais claras e começam a fluir com mais facilidade e adquirimos um senso de “propósito”. Isto pode vir de uma conversa, um livro, uma prática espiritual ou de um acontecimento inesperado.

Quando o Chamamento do Despertar o alcança, é impulsionado para uma fase de busca e descoberta. De repente precisa de saber, precisa de respostas, precisa de compreender os porquês da sua vida. Quer ler, falar sobre isso e sentir mais profundamente o significado de tudo. Quanto mais o tempo passa, mais urgente se torna a sua necessidade de compreender e de integrar o que está a acontecer na sua vida.

Segunda fase: A Criação

Aqui, percebe que por mais informações e mais experiências que tenha, a extensão total do que está à procura não pode ser encontrada em livros ou mesmo através de Mestres Espirituais.

Você percebe, que o que anda à procura e o que pelo qual anseia, é algo que pode somente encontrar dentro de si mesmo.

Se está a recuperar de uma crise ou de uma perda, começa a sentir que, talvez houvesse ali um propósito. Começa a sentir um consolo nesta situação e a entender que a sua noite escura da alma foi uma espécie de “presente” para impulsioná-lo para algo mais elevado.

Este “presente”, em primeiro lugar, manifesta-se como a capacidade de ver a beleza e a graça do universo que se revela agora na sua vida. Começa a olhar para trás, e a ver como isso o ajudou. Na fase da Criação vai fundir-se ao fluxo da vida e começa a ter a capacidade de ver a perfeição em todas as coisas. A sua necessidade de rotular as coisas como certas e erradas, boas e más, diminui.

É aqui que você começa a experiênciar mais a sincronicidade, não é que o sofrimento ou a ansiedade acabe (sim… ainda vai explodir quando os seus filhos deixarem o quarto numa confusão ou ficar impaciente no meio do transito ou numa fila de supermercado), mas vai começar a aprender a deixar de se identificar com estes sentimentos, a mudar para a perspectiva do observador e a permanecer no seu centro, confiante de que tudo está a acontecer como deveria.

Terceira fase: A Conexão

Fundindo-se mais com o EU, começa a experienciar que quem, e o que pensava ser, afinal não é. Este é um tempo de dualidade e de unidade. Você pode ver que os seus pensamentos e sentimentos vêm e vão, suas reacções vêm e vão, mas algo essencial está sempre presente.

Pode identificar se com os seus pensamentos e sentimentos ou pode recuar e ver que não é realmente o que está pensando e sentindo. Você é eterno. Está sempre presente, não vem e vai, está firmemente ancorado na conexão com o seu Eu Superior, com os reinos do Espírito e com Deus.

As coisas deixam de tornar se obstáculos e passam a simples acontecimentos que chegam a si com intuito de trazer aprendizagem e em vez de ficar submerso nas emoções, aceita os desafios que chegam até si, com gratidão.

Não é um estado robótico, o pensamento e o sentimento continuam. Continua a amar, a rir, a ficar triste… mas sabe que é mais do que todas estas coisas. Identifica-se mais com o seu Eu Superior. Neste estado, torna-se mais calmo, mais feliz e mais centrado.

Quarta fase: Integrando a sua Verdade

Nesta fase, a experiência de quem você realmente é, está mais estabilizada e constante. Identifica se cada vez menos com uma pessoa com problemas para resolver, e cada vez mais com um ser espiritual experienciando momentos – que não são realmente problemas, mas apenas algo que está a acontecer para seu crescimento enquanto Alma.

Esta é uma fase de grande alegria porque está muito conectado a Deus e a todo o Universo. Está claro para si que é Um com todos e com tudo, profundamente conectado e entrelaçado com toda a Vida.

Nesta fase, as pessoas à sua volta começam a notar a vibração e a paz que irradia de si. É a mesma pessoa que era antes, mas ao mesmo tempo é alguém inteiramente novo, porque a sua compreensão é bem maior.

Aprendeu finalmente a morar no seu coração, em vez de morar na sua mente.

Embora seja difícil descrever o despertar espiritual, cada um saberá quando estiver a acontecer!

Em breve será disponibilizado um Programa completo para O Despertar da consciência, onde cada um irá dar os seus passos no seu próprio caminho, ao seu ritmo e com o apoio necessário para minimizar os efeitos adversos para que possa alcançar a quarta fase com mais tranquilidade. Fica atento!

Consultas em Lisboa – Évora – Caldas da Rainha – Santarém – Benavente
#Hipnose_Terapêutica_e_Clínica
#Hipnose_Quântica
#Terapia_Regressão_Vidas_Passadas
#Barras_Access
#Coaching_Espiritual
#Limpeza_Energética.

Espiritualidade e terapias rápidas

Espiritualidade e terapias rápidas – a droga do século

Banalizou se de tal forma a espiritualidade que se ouve falar em todas as esquinas, em todos os cafés e arriscaria a dizer mesmo em grande parte dos perfis do Facebook.
Já escrevi à uns tempos atrás sobre a espiritualidade com o objectivo de desmistificar o tema.

A espiritualidade não é uma “fase” nem uma moda que passa, não é algo fácil e rápido que se compra em qualquer centro de terapias holísticas, não é uma varinha magica com a qual será tocado e a vida muda a partir dai.

A espiritualidade é um longo, as vezes lento e progressivo, caminho que tem em vista à nossa evolução. É um caminho pessoal, interno e que ninguém pode fazer por si. Não, não pode comprar uma terapia qualquer para deixar de sentir, ou saltar uma etapa desse percurso.

Vejo pessoas a saltarem de terapia em terapia com a ilusão de estarem a evoluir. Como se fosse uma droga em que ficam viciados, e no final culpabilizam o terapeuta por nada ter mudado.
Desengane-se, ninguém pode comprar a sua evolução. A espiritualidade é um processo interno e intenso. nenhum terapeuta pode fazer o trabalho por si. O objectivo da terapia é o autoconhecimento, tomar consciência das suas limitações, fraquezas, dos bloqueios, das dificuldades pelas quais esta a passar, dos porquês dessas dificuldades. Essa tomada de consciência é o único passo acertado para a evolução da consciência. Só podemos mudar o que conhecemos estar errado em nós.

Dói? Sim as vezes muito. Assusta? Sim, não há nada mais assustador do que enfrentar as nossas próprias sombras. Sim todos nós temos uma parte luz e uma parte sombra, e enfrentar a nossa própria sombra e pensar: “não eu não sou assim, não sou essa pessoa”, assusta… ai se assusta!  Mas o trabalho é seu, só você as pode enfrentar e só enfrentando as pode controlar e domar.

E aí sim, se precisar de ajuda para o fazer, existem terapias e excelentes terapeutas que o podem ajudar. Repito, para não fiquem dúvidas, AJUDAR, o que não é o mesmo do que fazer por si.

E para o ajudar, estarei sempre aqui por perto, como sempre estive!

Mas não pense que é algo que se faz uma única vez, tal como disse, é um longo caminho!

O Perdão

Perdoar e porquê perdoar

Fomos educados para “perdoar” de uma maneira que não só não é saudável como ainda por cima nos deixa impotentes.

Antes de poder sequer pensar em perdoar é imperativo livrar-nos das falsas noções que envolvem o perdão. 

Perdoar não significa Esquecer. Virar a página não significa esquecer. Em realidade, pedir a alguém para esquecer é o mesmo que pedir um sacrifício de auto-amputação. Esquecer um evento do passado é exigir esquecer uma parte de quem somos. O perdão ajuda a memória a curar-se.

Perdoar não é Negar o que aconteceu. Quando alguém nos magoa mesmo a sério, a nossa primeira linha de defesa é negar o que nos está a acontecer. Já reparou que quando alguém lhe conta sobre um evento dramático a sua primeira reacção tende a ser “não acredito!”. A negação é como uma parede que construímos para evitarmos a dor e todas as emoções que nos deprimem. 

Perdoar é muito mais que um acto de Vontade. Mas é assim que ensinamos as crianças a perdoar! “Pede desculpa ao teu irmão!”, “Tens que desculpar a tua professora, foi sem querer.”, “Dá um beijinho à mãe, ela castigou-te mas foi para o teu bem.” Tudo isto exige um perdoar forçado, carregado de força de vontade. A maioria dos educadores, incluindo os pais, tratam o acto de perdão como uma fórmula mágica capaz de corrigir qualquer erro cometido contra a nossa integridade. 

Perdão não pode ser dado como uma Ordem. O perdão é uma atitude de liberdade plena, ou então não existe, não pode nunca ser forçado. Ou o sentimos ou não. Na tradição cristã, por exemplo, há uma obrigação para perdoar. O Pai-nosso (uma oração que pessoalmente considero bonita) é interpretada de uma maneira literal na afirmação “Perdoai-nos assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido”. Aqui há um “tens que perdoar” implícito. “Temos” que perdoar quem nos ofende. É capaz de imaginar a tempestade interior causada no confronto entre o desejo de perdoar e a hesitação provocada por sentimentos e emoções que gritam por ser ouvidos? 

Perdão não nos leva de volta ao tempo anterior à ocorrência da Ofensa. Para muitas pessoas o perdão significa a reconciliação com quem nos magoa. Em realidade o perdoar não tem nada a ver com a reconciliação. Pode haver perdão sem nunca suceder a reconciliação. Nós podemos perdoar outro, mesmo na sua ausência, mesmo que a pessoa tenha já morrido. 

Perdão não significa ignorar os nossos Direitos. Muitas pessoas acreditam que perdoar um criminoso, um pedófilo, um marido infiel, é encorajar a pessoa a repetir a ofensa. Isto é misturar justiça com perdão. É querer julgar a pessoa e a acção cometida como sendo a mesma coisa. Nunca o é. 

Perdão não significa Desculpar aquele que ofende. Já ouviu expressões como “a culpa não é dele, não sabia mais…”? Perdoar alguém não é o mesmo que desculpar. Desculpar significa absolver a pessoa de toda a responsabilidade moral. Se isto fosse assim, ninguém jamais seria responsável pelas suas acções. 

Perdão não é sinónimo de Superioridade Moral. Alguns actos de perdão servem mais para humilhar do que para libertar. Criamos uma situação de arrogância moral em que aparentemente somos superiores aquele que nos ofende. Mascaramos a nossa necessidade de controlar os outros, de exercer poder sobre outros, num falso perdão. Escondemos assim a nossa profunda humilhação. Possuídos pela vergonha e rejeição, tentamos proteger-nos. 

Por fim, Perdoar não significa deixar as coisas nas mãos de Deus. Algumas pessoas adoram proferir a famosa expressão “só Deus pode perdoar”. Isto é proferido pelas pessoas incapazes de perdoar seja quem for. Deus não faz por nós aquilo que nós temos que fazer por nós. 

A questão básica é simples: porque temos que perdoar quem nos faz mal?

Porque enquanto não o fizermos iremos carregar em nós o peso do ofensor. Só estaremos livres a partir do momento em que o perdão é sentido a partir do coração.

A Hipnoterapia pode ajudá-lo nesse processo. Contacte-me

Fonte: Adaptado de artigo de Emídio Carvalho, sobre reflexão sobre o perdão

Meditar em 5 passos

Meditar – saiba como fazer

A meditação é uma técnica que permite conduzir a mente para um estado de calma e relaxamento, através de métodos que envolvem postura e focagem da atenção para atingir tranquilidade e paz interior.

A ciência já comprovou: meditar traz vários benefícios para a saúde. Diversas pesquisas e estudos revelaram que a meditação ajuda a ter uma vida mais longa e feliz.

Alguns benefícios para a saúde:

– A meditação é excelente no alívio da ansiedade. A prática diminui a frequência dos batimentos cardíacos e ajuda a respiração a entrar em sintonia com o resto do corpo o que ajuda a relaxar, prevenindo depressões.

– Quem medita consegue reduzir as emoções negativas e aumentar a satisfação com a vida, assim, fica mais motivado e forte para enfrentar os desafios do dia a dia.

-Meditar aumenta a concentração, o que irá melhor o desempenho e resultados no trabalho ou nos estudos.

– Ajuda ainda a combater o envelhecimento precoce, a insônia, controla a glicemia na diabetes…

– Favorece a perda e gestão de peso e ajuda nos distúrbios alimentares.

Como meditar

Meditar não é difícil e quando inicia não precisa meditar durante 1h seguida. Comece devagar, com 5 min e vá aumentando gradualmente o tempo.

Siga estes passos:

  1. Reserve 1 ou 2 momentos ao longo do dia para se desligar por um tempo.
    Pode ser ao acordar, para permitir começar o dia com menos ansiedade e mais foco, a meio do dia, para descansar um pouco das tarefas e da agitação, ou quando se for deitar, para acalmar a mente antes de dormir. 5 minutos já são suficientes para permitir uma viagem dentro de si, alcançando tranquilidade e foco. Para evitar preocupações com o tempo, coloque o despertador ou cronometro para o tempo que pretende desligar se do exterior.
  2. Encontre um local calmo
    Apesar de ser possível meditar em qualquer lugar, aconselho a que comece num lugar tranquilo, em sua casa, numa divisão onde possa ter uns minutos só para si. Se possível peça para não ser incomodado durante esse tempo.
    O importante é que possa estar, num ambiente tranquilo e com o mínimo de distracções para facilitar a concentração. Se pretender pode criar um ambiente relaxante, acender umas velas, um incenso …
  3. Adote uma postura confortável
    A posição ideal para a prática da meditação, de acordo com as técnicas orientais, é a postura de Lotus, em que se permanece sentado, com as pernas cruzadas, com os pés sobre as coxas, logo acima dos joelhos, e com a coluna direita.
    Esta postura não é fácil para quem inicia, por isso pode ficar sentado ou deitado, desde que esteja confortável, com a coluna direita, ombros relaxados e pescoço alinhado.
    Encontre um apoio para as mãos, que podem repousar no colo, com o dorso de uma sobre a outra, de modo que os polegares se toquem levemente ou ficar uma em cada joelho, com as palmas para baixo ou para cima. Feche os olhos e permita que os músculos relaxem. Sinta cada um deles a relaxar. Comece da cabeça para os pés ou dos pés em direcção à cabeça, como preferir.
  4. Observe a respiração (respiração consciente)
    Este é o momento mais importante da meditação. É importante aprender a dar atenção à respiração.
    Concentre se na respiração, inspire pelo nariz profunda e calmamente, contando até 4 e sentindo a barriga a encher. Expire pela boca, esvaziando toda a barriga, nos mesmos 4 tempos.
    Mantenha este ciclo de respiração de 3 a 5 vezes e de seguida continue a respirar normalmente, mas sempre de forma calma e profundamente.
  5. Liberte os pensamentos
    É muito comum que surjam diversos pensamentos durante a meditação, não brigue com eles nem os alimente pois serão cada vez mais.
    Foque a sua atenção no seu coração (como se olhasse para ele) e aperceba-se das sensações e das emoções que vão surgindo. A mente irá ficar distraída pois não consegue focar em duas coisas em simultâneo.
    Sempre que surgir um pensamento, observe-o como se não lhe pertencesse e deixe o ir embora. Volte a sua atenção de novo para as sensações do corpo.
    Poderá ao iniciar a sua meditação, colocar uma intenção, por exemplo, a intenção de perceber a solução para determinado problema que o preocupa, para o caminho que deve seguir ou para a atitude a tomar.
    Irá ver que com o tempo os pensamentos serão cada vez menos e naquele espaço de tempo do “nada” irão surgir agradáveis surpresas.

Libertar se em 12 passos

Quer libertar-se? Siga estes 12 passos.

1º- O primeiro passo é perder o medo. O medo é o nosso pior inimigo. Enquanto não se libertar dessa energia, não vai conseguir avançar.

2º- Liberte-se do passado. Se sente que tem alguma coisa para resolver com alguém ou consigo próprio, faça-o agora.

3º- Liberte-se dos seus fardos: culpas, ódios, raivas, ressentimentos…. E a partir de agora não culpe mais, para não ter de perdoar.

4º- Tome atenção a tudo o que o/a irrita. Normalmente são sempre os seus próprios defeitos. Aproveite para aprender e corrigir.

5º- Pare de julgar.

6º- Aceite-se como é e ame-se. Se não se amar, nunca vai verdadeiramente amar alguém.

7º- Aprenda a aceitar tudo o que lhe acontece na vida. Aceite mesmo aquilo que não consegue aceitar. Lembre-se que tudo são escolhas que fizemos para a nossa evolução e crescimento. Aceitar não significa ficar de braços cruzados, bem pelo contrário, é depois da verdadeira aceitação que se dá a mudança, a transformação e que chega a paz.

8º- Depois de todos os passos anteriores terem sido resolvidos e ultrapassados, concentre-se no Presente e viva o momento como sendo o único. Porque na verdade só o Presente existe. E o sabor do Presente é indescritível, vai perceber muitas pequenas coisinhas maravilhosas que já lá estavam mas que nunca conseguiu dar por elas porque sempre permitiu que o Passado e o Futuro interferissem.

9º-  Faça o que lhe dá prazer, tanto a nível pessoal como profissional. Todos temos uma vocação e a nossa realização profissional é fundamental para o nosso bem-estar e equilíbrio. É impossível ser feliz, passando 8 horas ou mais por dia a fazer o que não se gosta.

10º- Se ao tomar uma atitude ou decisão, sentir Paz dentro de si é porque tomou a atitude e a decisão certas.

11º- Deixe fluir…. se no Agora fizer a coisa certa, não há razão para ter preocupações com o Futuro.

12º- Confie e acredite que o Universo apenas lhe traz aquilo que é bom para si.

Se não conseguir fazer este processo sozinho, lembre-se que pode pedir ajuda. Venha saber como o posso ajudar! 

Ansiedade

Ansiedade um dos flagelos do século.

A vida agitada que a sociedade nos impõe impede-nos de viver o dia de hoje, e assim, dia após dia vamos acumulando sentimentos de culpa, frustração, impotência, por não ter feito isto ou aquilo, não ter dado mais atenção a esta ou aquela pessoa querida, por não ter tido tempo para nós… a lista é grande.

E é aí que tudo começa. Em vez de aproveitarmos o dia de hoje, já estamos a projectar o dia de amanhã ou até mesmo a próxima semana. Aquele dia que teremos tempo para dar aquele passeio, aquele dia que teremos tempo de estar com aquela pessoa, aquele dia que teremos tempo de brincar com os filhos. Até não seria mau de todo se conseguíssemos gerir esta impaciência, o problema é quando começamos a focar-nos em demasia em coisas negativas, e começamos a antecipar acontecimentos ou tarefas que não gostamos e que teremos de enfrentar “amanhã” e obrigamos o nosso sistema a viver em constante “estado de alerta”.

Grande parte das pessoas que me têm procurado para sessões de Hipnose Terapêutica ou mesmo Terapia Quântica Biofeedback, vêm com problemas de ansiedade, pelo que não poderia deixar de falar sobre este tema.

A ansiedade é aquele sentimento de impaciência e inquietação que temos antes de qualquer acontecimento que desejamos muito, um reencontro programado ou mesmo quando nos questionamos se aquela reunião onde teremos de fazer uma apresentação irá correr bem, ou quando ficamos nervosos antes dos exames  ou quando deixamos de pensar em qualquer outra coisa e direcionamos o nosso foco exclusivamente para essas situações ou outras idênticas.

Na prática, a sensação de ansiedade pode ser benéfica para lidarmos com os muitos desafios que nos aparecem ao longo da nossa vida.

Mas dependendo das circunstâncias ou intensidade, a ansiedade pode tornar se patológica e prejudicial à nossa saúde, levando a problemas, como:

  • Transtorno de pânico;
  • Fobias específicas;

A Hipnose com PNL (Reprogramação Neurolinguística), pode neste caso ser uma arma poderosa contra os sintomas da ansiedade. Saiba porquê.

O que sentimos durante uma crise de ansiedade?

Imagine que encontra um cão feroz, enorme, com ar ameaçador, solto, no caminho por onde costuma fazer a sua caminhada diária, o que acontece? Se respondeu ou pensou que o seu coração começaria a bater mais rápido, que iria começar a transpirar, ficar com a garganta seca, com vontade de fugir dali e ao mesmo tempo sentir as pernas fracas, tem toda a razão, esses são os sintomas normais do aumento da atividade do Sistema Nervoso. O chamado “toque de alarme” que é acionado perante uma situação de perigo eminente e que nos ordena “luta ou foge”.

Contudo, na ansiedade patológica, observamos esses e outros sinais de forma persistente, sem que haja de facto um risco ou perigo iminente. É por isso prejudicial à nossa saúde uma vez que o nosso organismo vive em constante estado de “alerta”, provocando sintomas como: dores de cabeça constantes, tensão muscular, tremores, náuseas, irritabilidade e impulsividade, taquicardia, sensações de desespero, angústia, sensações de morte iminente, entre outros.

Então, como a Hipnose com PNL podem ajudar no tratamento da ansiedade?

A Hipnose Terapêutica, ou Hipnoterapia é uma ferramenta muito poderosa para vários fins, não só a ansiedade.

Trabalha o individuo de forma a permitir levá-lo a um nível de relaxamento profundo, permitindo assim aceder a informações registadas no seu inconsciente, lá, onde ficou gravada a situação que despoletou a origem do problema.

A PNL, por sua vez, é um método utilizado para programar cognitivamente a mente de maneira a atingir melhores resultados em diferentes tarefas.

Irá assim permitir identificar e ajustar perceções acerca das situações que causam esse estado emocional, permitir enfrentar as situações que causam a ansiedade e lidar com os seus sintomas fisiológicos.

Se você acredita que a Hipnose a pode ajudar a ultrapassar o seu problema, não perca tempo e contacte-me!

A Hipnose Terapêutica com PNL é também muito eficaz para situações de:.

  • Alto-Desempenho;
  • Ansiedade;
  • Auto Confiança;
  • Auto Estima;
  • Ataques de Pânico;
  • Bloqueios Emocionais;
  • Compulsões;
  • Depressão;
  • Fobias;
  • Medos;
  • Perdas (Fins de Relações, Divórcios, Mortes, etc);
  • Problemas de Aprendizagem;
  • Regressão de Idade;
  • Regressão a Vidas Passadas;
  • Rejeição;
  • Stress;
  • Traumas;
  • Vícios;
  • e muitos outros